Faça uma simulação online!

Está na hora de redobrar os cuidados, sem pânico!

O aumento dos casos de Covid-19, mais conhecida como novo coronavírus, indica a necessidade de redobrarmos o cuidado com as medidas de prevenção. Sem pânico ou alarmismo. A SLAM – Santa Luzia Assistência Médica segue estritamente as orientações do Ministério da Saúde e mantém um comitê interno de vigilância, para definir as medidas necessárias a cada momento.

A SLAM destaca as seguintes orientações para esta nova fase:

Os hospitais e serviços médicos são locais de grande risco de infecção pelo coronavírus.

O Ministério da Saúde já recomenda a redução do contato social para diminuir as chances de transmissão do vírus. Em algumas regiões, como São Paulo e Rio de Janeiro, também orienta a redução dos deslocamentos para o trabalho e a adoção de medidas como home-office, horários alternativos, reuniões virtuais e cancelamento de viagens. Clique Aqui

Outra prioridade é evitar a sobrecarga dos serviços de saúde, garantindo acesso aos pacientes que mais necessitem. Evite o pronto-socorro, se você apresenta sintomas leves, sem febre. Consulte antes o seu médico de referência. Sempre que possível e com avaliação médica, cirurgias e procedimentos eletivos devem ser adiados, evitando a circulação de pessoas saudáveis em ambiente hospitalar.

Nossa rede credenciada está disponível e preparada para atender aos casos que necessitem de internação. O exame para diagnóstico de Covid-19 tem cobertura e deve ser realizado de acordo com os protocolos do Ministério da Saúde.

Acesse o nosso e-book e relembre os cuidados que precisamos adotar no dia a dia. Clique aqui para acessar o E-book

Gestantes: principais questionamentos em tempos de coronavírus Saiba Mais

Somente compartilhe informações oficiais, obtidas diretamente da página ou do aplicativo do Ministério da Saúde, ou ainda das Secretarias de Saúde locais

Play Store

App Store

Dúvidas Frequentes sobre o Covid-19

Como neste momento as vacinas serão disponibilizadas exclusivamente na rede pública, não haverá reembolso.

Não. Contudo, se você tomar a primeira dose da vacina de um determinado laboratório precisa finalizar o esquema vacinal (tomar a segunda dose) com o mesmo imunizante.

Não. É normal desenvolver algumas reações, como fadiga, dor de cabeça, dores musculares, febre baixa ou outros sintomas leves após tomar a vacina, mas essas manifestações são sinais da resposta imune se formando e desaparecerão dentro de alguns dias. Porém, isso não significa que você foi infectado pelo coronavírus ou está desenvolvendo Covid-19. Além disso, o fato de várias pessoas não apresentarem reações também não significa que a vacina não tenha efeito, pois cada pessoa pode responder de forma diferente à vacinação. Portanto, as vacinas são seguras e não causam Covid-19.
 
 

Sim. Para qualquer vacina ser liberada, é necessário que antes sejam feitos testes de segurança e eficácia. Sendo assim, as vacinas contra a Covid-19 estão sendo rigorosamente testadas, com milhares de voluntários em todo mundo, incluindo aqui no Brasil, tendo se mostrado seguras. As vacinas atuais são de vírus inativado ou se utilizam de parte do vírus para ativar o sistema imune. Nenhuma delas tem potencial infeccioso.

Ainda não temos certeza sobre o tempo de duração da imunidade promovida pela vacina e, por enquanto, estima-se que será necessário fazer a vacinação anualmente, como no caso da influenza (gripe).

Não, pois o fato de estarmos vacinados não significa que a pandemia tenha acabado. Essa situação só ocorrerá quando o número de pessoas contaminadas pelo novo coronavírus for significativamente reduzido, a ponto de diminuir a taxa de contaminação a níveis muito mais baixos do que os atuais – atingindo padrões de contaminação e gravidade similares aos da influenza, por exemplo. Só então poderemos dizer que a pandemia acabou e que é possível voltar ao seu ritmo normal de vida, sem a necessidade de uso de máscara e do isolamento.

A campanha de vacinação será realizada em etapas, priorizando os grupos mais expostos e mais vulneráveis à doença. Sendo assim, o Ministério da Saúde definiu 4 fases para vacinação: Fase 1: Profissionais de saúde, idosos acima de 75 anos, indígenas e quilombolas. Fase 2: Idosos acima de 60 anos Fase 3: Pessoas com doenças crônicas e idade acima de 18 anos Fase 4: Professores, forças de segurança e salvamento e funcionários do sistema prisional Os grupos poderão ser alterados. Outra recomendação é verificar como está organizada a campanha de vacinação na sua cidade. Consulte o site da secretaria de saúde do seu estado e do seu município para saber quais são as orientações locais.

Há uma série de razões, individuais e coletivas, para que todos se vacinem.
Ao se vacinar, você não está protegendo apenas a si mesmo. Garantindo a própria imunidade, você protege também outras pessoas ao seu redor, evitando, assim, que a doença se propague ainda mais. Além disso, beneficiará, principalmente, aqueles que, por alguma razão, não podem se vacinar (como gestantes ou imunossuprimidos). Ou seja, quanto maior o número de pessoas vacinadas, menos vírus teremos circulando pelas ruas. Estima-se que será necessário vacinar entre 70% e 80% da população para reduzir a circulação do coronavírus e acabar com a pandemia. Sendo assim, a decisão de se vacinar tem impacto na saúde coletiva e, por isso, não pode ser encarada como uma decisão individual. É importante que todos tenham acesso à vacina. Mesmo quem já teve Covid-19 deve se vacinar para evitar o risco de reinfecção.

Todos as pessoas com mais de 18 anos devem se vacinar, com exceção de gestantes, mulheres em período de amamentação, imunossuprimidos e pessoas que já tiveram reações alérgicas a vacinas anteriores ou que sejam alérgicas aos componentes da vacina. É importante ainda consultar o seu médico se, no período da vacina, você apresentar sintomas de Covid-19 ou febre. No caso de quem está com alguma doença que comprometa o sistema imunológico (imunossuprimidos), também é recomendado que a decisão seja tomada considerando a avaliação médica.

Doação: Não há custo, funciona como uma doação de sangue. O segurado precisa procurar os bancos de sangue credenciados pelo Ministério da Saúde (como o Sírio Libanês, Albert Einstein e o Hospital das Clínicas). Para o tratamento com o plasma de pessoas que já tiveram a Covid não há cobertura, por ser experimental.

A cobertura de coleta domiciliar  não é obrigatória, porém temos parceria com alguns Laboratórios que fornecem como cortesia e são eles:

  • Laboratório Santa Paula
  • Laboratório Exame

Laboratório Sabin, Laboratório Exame, Laboratório Mulier, Laboratório Santa Paula

Sim, se for solicitado como urgência e emergência sim.

40324788 SARS-CoV-2 (Coronavírus COVID-19), pesquisa de anticorpos IgA, IgG ou IgM, isolada por classe de imunoglobulina

40324796 SARS-CoV-2 (Coronavírus COVID-19), pesquisa de anticorpos IgA, IgG ou IgM

40314618 SARS- CoV-2 (Coronavírus COVID-19)-pesquisa por RT -PCR

Notícias e dicas

Mulher se protegendo com uso de máscara

Estou com COVID-19 e agora?

Saiba sobre cuidados básicos com pessoas que festão infectadas pela COVID-19 Ao identificar que foi contaminado com a COVID-19, é ideal se manter isolado em

Leia mais »
infográfico contágio

Um novo jeito de cuidar

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência e segurança em nosso site.