Faça uma simulação online!

Conheça os riscos de internações prolongadas sem necessidade: uma prática comum entre os convênios médicos

Internações hospitalares são atendimentos que implicam na permanência do paciente em acomodações hospitalares ou de clínicas por ao menos 24 horas. Embora não pareça, é um procedimento extremamente complexo e precisa ser feito com muita cautela.

As internações são necessárias quando pacientes apresentam alguma condição mais séria, com possíveis complicações que representam risco à sua vida ou quando não estão com condições graves. Ou seja, pessoas que precisam de cuidados que não podem ser realizados em casa ou no ambulatório.

Em todo caso, o médico responsável pelo caso determina se há alguma condição que justifique a internação. Quando feita da forma correta, a permanência de pacientes nos hospitais é positiva.

No local, a pessoa recebe todos os cuidados necessários ao longo do acompanhamento e, no melhor dos cenários, conseguirá se recuperar mais rapidamente. 

A questão é que muitas internações realizadas no Brasil são desnecessárias ou duram mais do que deveriam, e essa situação é um grande problema para o setor de saúde e para a recuperação de pacientes. 

Em muitos casos, quando a internação é prolongada de forma desnecessária, a vida das pessoas é colocada em risco. Tudo isso a troco de dinheiro. 

Médicos e hospitais recebem dinheiro dos planos de saúde por cada internação. Desta forma, quanto mais diárias um pacientes “consumir”, mais retorno a instituição terá – o raciocínio é bem simples!

Continue acompanhando para ter mais informações sobre o assunto.

Internações prolongadas: por que acontecem?

Muitos não sabem, mas  profissionais recebem bônus, destaques e até mesmo comissões por cada procedimento em diversos hospitais do país. Por essa razão, diversas pessoas saem das salas médicas com dezenas de exames para fazer e são internadas sem necessidade.

Os convênios médicos pagam por cada exame, internação e procedimento realizado pelo beneficiário. Desta forma, quanto mais procedimentos um paciente realizar, mais dinheiro será enviado a instituição.

Em consequência, visando apenas o lucro, o hospital dá bonificações para os médicos que solicitam mais diárias de interações, exames etc. Ou seja, dão destaque para aqueles que proporcionam mais lucro para a instituição.

O problema de todo esse esquema – além do conceito ético – é que internações prolongadas trazem riscos para a saúde das pessoas, podendo agravar o caso delas. Entenda!

Riscos de internações prolongadas desnecessárias

Com essas informações não estamos querendo passar a ideia de que as internações não são importantes, porque são! Nesse tipo de tratamento o paciente usufrui de condições e recursos necessários para que possam voltar para a casa em segurança, melhores e mais saudáveis.

Esse retorno acontece quando o problema foi resolvido ou quando o paciente consegue continuar o acompanhamento de forma regular em casa ou em outros locais, sem a necessidade de ficar no hospital.

O recomendado pelos órgãos de saúde e especialistas da área é que as internações sejam preferencialmente curtas, de forma que o paciente tenha alta o mais rápido possível.

Isso porque ao permanecer muito tempo no hospital, a pessoa fica exposta a riscos desnecessários, os quais podem agravar e levar a uma piora no quadro. 

Portanto, quando médicos de má índole indicam internações prolongadas sem necessidade, estão colocando a vida dos seus pacientes em risco.

Confira, a seguir, os malefícios que as internações desnecessárias para a saúde, tratamento e qualidade de vida das pessoas. Além, é claro, de aprender como evitar esse tipo de situação.

Mais chances de contrair infecções hospitalares

Hospitais são locais de risco para a saúde das pessoas. Afinal, em um só ambiente, há pessoas com as mais diversas doenças e condições médicas.

Por mais que se tenha os devidos cuidados com a higienização, limpeza e esterilizações, os hospitais sempre oferecem esse risco para os pacientes, ainda mais quando esses já estão com a imunidade fragilizada. Os riscos da pessoa contrair algum vírus ou bactéria são potencializados. 

Quando a pessoa precisa da internação, toda essa situação é controlada ao máximo, entretanto, a sua permanência desnecessária por muitos dias aumenta as chances da contração de outra doença e piora o quadro – o qual já estava estabilizado e progredindo. 

Isso é totalmente contrário do que nós da SLAM visamos para os nossos beneficiários. Queremos promover saúde e qualidade de vida, de forma que pessoas de todas as idades não só evitem ter que ir ao hospital, mas não tenham que ser internadas (com exceção de situações acidentais).

Problemas por falta de mobilidade

Quando uma pessoa fica internada e deitada no leito por muitos dias, pode desenvolver lesões decorrentes do contato e da pressão do corpo nas mesmas posições, trombose e outras condições relacionadas à falta de movimentação.

Essa condição é especialmente perigosa para idosos e pessoas que já têm condições de mobilidade reduzidas. Além de que, também há a possibilidade do desenvolvimento de alterações mentais.

É comum que principalmente os idosos sintam dificuldades em reconhecer o local, fiquem mais estressados e apresentem quadros de confusão mental.

Realização de exames desnecessários

Ao permanecer mais dias no hospital, os médicos tendem a pedir mais exames e procedimentos com a justificativa do acompanhamento do quadro clínico – o que pode ser verdade, mas também há a chance de ser mais um esquema com intenções financeiras.

Ocupação de leitos sem necessidade

Quando uma pessoa fica internada por mais dias do que o necessário, está ocupando uma acomodação que poderia estar sendo usada para outro paciente. 

Se o número de leitos disponíveis estiver abaixo do comum, como já vimos que pode acontecer, será um grande problema com consequências bem graves. 

Como evitar internações prolongadas?

Como vimos, os riscos são diversos. A questão que resta é: como evitar? 

Essa é uma questão delicada porque devemos confiar nos médicos que estão alí – ou deveriam estar – para nos ajudar quando mais precisamos.

O ideal para evitar esse tipo de situação é estar atento à conduta médica e, claro, optar por profissionais qualificados, de referência na especialidade. 

O mais recomendado é contar com uma operadora de saúde que conte com uma rede credenciada de alta qualidade e que inspire confiança por fidelidade aos valores da profissão.

A SLAM, por exemplo, tem um sistema de bonificações para médicos que funciona de maneira bem diferente. Em nossa operadora os profissionais recebem destaque por número de casos resolvidos, porque nosso foco é SAÚDE e bem-estar de quem escolhe desfrutar de nossos serviços.

Ou seja, se o paciente sai satisfeito com o atendimento e com a saúde melhor do que quando entrou no consultório, o médico poderá receber um destaque. 

Se quiser saber mais sobre o tema, acesse nosso blog. Há diversos conteúdos interessantes. 

Nosso atendimento está disponível para solucionar dúvidas sobre o assunto. Aproveite para conhecer melhor nossos planos de saúde entrando em contato.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

SLAM – SANTA LUZIA ASSISTÊNCIA MÉDICA S/A – CNPJ: 36.751.634/0001-23

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência e segurança em nosso site.